Publicado em Postagens

Os dentes do bebê estão nascendo, qual mordedor pode ser o mais indicado?

dente_de_leite-710x400Basta os primeiros dentinhos darem o ar da graça para o bebê se transformar de uma criatura calminha para um babador de primeira! Nesta fase também, os bebês costumam sentir-se mais irritados, e mesmo o mais calmo dos bebês, acaba se tornando o mais chorão de todos! Os primeiros dentinhos podem ser um pequeno transtorno para o bebê, pois causam mudanças significativas no corpo do pequeno e também os incômodos que não são poucos podem mudar e muito o seu humor.

Quando os dentes do bebê começam a despontar?

Os mais precoces podem romper o primeiro dente (normalmente o incisivo central inferior) já com três meses, enquanto outros podem ter de esperar até quase um ano.

Os últimos dentes (os segundos molares, no fundo da boca) costumam já ter nascido no segundo ano de vida. Com três anos, seu filho deve ter o conjunto completo: 20 dentes de leite.

 Se o seu bebê tem estes sinais, logo os primeiros dentinhos irão apontar:

– Baba (que pode depois provocar uma irritação na pele ao redor da boca)

– Inchaço e sensibilidade na gengiva

– Irritabilidade e mau humor

– Tentativa de morder tudo o que está pela frente

– Falta de apetite

– Problemas para dormir
Em alguns casos, podem acontecer de aparecer alguma alteração no cocô, nariz escorrendo e muitas vezes até febre, pois cada bebê é diferente do outro.

O que fazer para amenizar a irritabilidade e desconforto do bebê?      

Muitas vezes, os mordedores podem seu uma ótima opção, pois o movimento de “mastigar” que o bebê faz no mordedor ajuda a diminuir a irritabilidade e ajuda também no despontamento do dente. Mas além do mordedor, muitas mães optam por pomadinhas próprias para a gengiva sensível do bebê (geralmente, as mesmas possuem agente com camomila, para acalmar a irritabilidade), chás para acalmar o bebê e algum remedinho via oral, no caso se houver febre e por indicação médica.

Qual mordedor é indicado para o meu bebê?

Os mordedores em forma de chupeta massageiam suavemente a gengiva e assim, mantém as mãos dos bebês livres para brincar, enquanto aliviam a tensão causada pela coceira. Este tipo de mordedor é indicado para bebês que os dentes apontam a partir dos três meses, porém, não existe nenhuma contra indicação a respeito de bebês maiores usarem este tipo de mordedor.

Para os bebês que gostem de pegar as coisas, os mordedores em forma de brinquedos, muitas vezes com uma base para pegar são os ideais, a partir dos sete meses, idade em que a curiosidade e a coordenação dos bebês afloram, os mordedores em formatos de bichinhos, mãos e pés são muito bem aceitos. A partir do Nono mês, os mordedores com chocalhos são uma boa pedida.

A partir do primeiro ano, os bebês já possuem certa independência, e muitas vezes os mordedores mais comuns não são o suficiente, pois não desperta mais a curiosidade dos pequenos, sendo assim o indicado nessa idade seria os mordedores com funções educativas. Geralmente nesta fase, são recomendados os alimentadores como uma função de mordedor, pois estimula também a alimentação do bebê.

Caso o seu bebê não se adapte a mordedores e outras soluções citadas acima, fique tranquila e converse com o pediatra, ele irá passar dicas de como agir da melhor forma nesta fase do seu filho!

Publicado em Postagens

Vamos falar sobre Autismo?

Para muitas famílias, essa jornada de descoberta é impactada pelo diagnóstico do autismo. Ao mesmo tempo em que há a sensação de alívio por se ter uma resposta para o comportamento da criança, os pais acabam passando por momentos de tristeza e frustração. Muitos chegam a esse estágio esgotados emocionalmente, depois de passar por diversos médicos e ouvirem opiniões que geram vários conflitos antes de terem o diagnóstico. Por que é difícil diagnosticar o autismo?

O diagnóstico do autismo é clínico, feito através de observação direta do comportamento e de uma entrevista com os pais ou responsáveis. Os sintomas costumam estar presentes antes dos 3 anos de idade, sendo possível fazer o diagnóstico por volta dos 18 meses de idade.

Mas na realidade, o que é o autismo?

O autismo, também chamado de Transtorno do Espectro Autista, é um Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) que tem influência genética e é causado por defeitos em partes do cérebro, como o cerebelo, por exemplo.

As causas ainda intrigam os cientistas, mas sabe-se que a genética tem um papel importante. É um universo singular e consideravelmente desconhecido, onde uma criança autista pode desenvolver habilidades geniais, enquanto outra não aprende a falar, por exemplo.

Para o autista, o relacionamento com outras pessoas costuma não despertar interesse. O contato visual com o outro é ausente ou pouco frequente e a fala, usada com dificuldade. Algumas frases podem ser constantemente repetidas e a comunicação acaba se dando, principalmente, por gestos. Por isso, evita-se o contato físico no relacionamento com o autista – já que o mundo, para ele, parece ameaçador. Insistir neste tipo de contato ou promover mudanças bruscas na rotina dessas crianças pode desencadear crises de agressividade.

O autismo acomete pessoas de todas as classes sociais e etnias, mais os meninos do que as meninas. Os sintomas podem aparecer nos primeiros meses de vida, mas dificilmente são identificados precocemente. O mais comum é os sinais ficarem evidentes antes de a criança completar três anos. De acordo com o quadro clínico, eles podem ser divididos em 3 grupos:

-ausência completa de qualquer contato interpessoal, incapacidade de aprender a falar, incidência de movimentos estereotipados e repetitivos, deficiência mental;

-o portador é voltado para si mesmo, não estabelece contato visual com as pessoas nem com o ambiente; consegue falar, mas não usa a fala como ferramenta de comunicação (chega a repetir frases inteiras fora do contexto) e tem comprometimento da compreensão;

-domínio da linguagem, inteligência normal ou até superior, menor dificuldade de interação social que permite aos portadores levar vida próxima do normal.

Na adolescência e vida adulta, as manifestações do autismo dependem de como as pessoas conseguiram aprender as regras sociais e desenvolver comportamentos que favoreceram sua adaptação e auto-suficiência.

O reconhecimento precoce, assim como as terapias comportamentais, educacionais e familiares podem reduzir os sintomas, além de oferecer um pilar de apoio ao desenvolvimento e à aprendizagem.

Publicado em Postagens

A adolescência do bebê: a famosa “crise dos dois anos”

Se o seu bebê começa a apresentar alguma rebeldia perto dos dois anos de idade, ele esta entrando na famosa “adolescência do bebê”, mas não precisa se desesperar, você não é a única mãe a passar por isso!

Por volta dos dois anos de idade a criança entra em uma fase conhecida como adolescência do bebê, ou terrible twos, em inglês. É quando começam as freqüentes crises de birras e mal criações sempre que sua vontade é contrariada. Mesmo os mais bonzinhos e tranqüilos surpreendem os pais com ataques de choro e gritos, se jogam no chão, agridem os amigos, batem a cabeça na parede, mordem, beliscam e dizem “não” a tudo que lhes é pedido.

Para entender por que isso ocorre, precisamos ter em mente que nos primeiros anos de vida do bebê, ele só engatinha e é totalmente dependente do outro. Não consegue comer sozinho, tampouco falar. Dos 10 meses em diante, já está apto a andar e começa a desenvolver autonomia para ir e vir. A partir dos dois anos, a criança já consegue se expressar e tem bom arsenal vocabular. Frases como “eu quero” ou “é meu” passam a ser usadas constantemente, além de ele se comportar de modo opositivo às solicitações dos pais. Na prática, a criança passa a verbalizar aquilo que deseja (ou não). E é aí que começam os conflitos entre pais e filhos.

Como lidar com o “terrible two”

– Entenda que faz parte do desenvolvimento da criança. Não há nada de errado com ela. Não supervalorize e nem superestime uma crise de birra. Na medida do possível, ignore e deixe que ela se acalme sozinha. Explique que chorar não faz com que as coisas se resolvam. Nesse caso, é bom manter o diálogo: “Quando tu parares de chorar, a gente conversa”. Mantenha o controle. Durante a crise de birra, a criança não ouve. Espere que ela se tranqüilize sem sua ajuda. Caso estiverem em um lugar público e isso não for possível, abrace-a e tente distraí-la com outro assunto. Dê limites sempre. O ideal é que a criança saiba a conseqüência que sofrerá se fizer algo de errado antes de ser punida.

Como os pais devem agir mediante a crise dos 2 Anos?

1.      Agir com calma.

O melhor a fazer durante uma birra é manter a calma. Ficar ao lado do seu filho, protegê-lo de batidas no chão ou objetos próximos, e aguardar o fim da crise. É difícil se segurar, especialmente se a criança chuta, joga objetos e chega ao ponto de prender a respiração. Durante a crise, a criança não é capaz de compreender bem o que você fala, mas piora muito se você gritar ou ameaçar. Algumas crianças melhoram quando você o abraça, ou o distrai com alguma coisa. Mas outras pioram se você intervir. Após o término da crise, é importante acolher e abraçar a criança, pois ela se sente exausta após essa explosão emocional. Deixar a criança sozinha no quarto pode fazê-la se sentir abandonada, ainda mais que ela fica muito assustada também com a crise. Se você estiver em algum lugar público, pegue a criança no colo e leve-a para algum lugar calmo, até que a criança fique tranqüila. Dessa forma você também tira o estresse extra de ser observado, principalmente por estranhos.

2.      Lembre-se que você é o adulto.

Não ceda a exigências irracionais ou que sejam ruins para seu filho. Na tentativa de acabar logo com o escândalo, ficamos tentados a ceder. E não se preocupe com o que outros pensam. Todos os pais já passaram por isso.

3.      Converse depois da crise.

É importante conversar com a criança depois que a birra terminar. Ajude-a expressar sua frustração, explique que você o entende por ficar aborrecido, mas deixe claro também que aquilo é inaceitável.

4.      Deixe claro que ele é amado

Depois de um desgaste desses, quando tudo estiver calmo, diga que o ama, abrace seu filho.

5. Evite situações que sabidamente gerem crises

Observe que tipo de situações gera explosões de birra no seu filho, e procure evitá-las, exemplo, ao passeio no shopping, evite (se possível) passar próximo a locais que você sabe que existem coisas que possam gerar birra na criança.

6.     Fique atento ao excesso

É comum que haja essas crises diariamente, mas alguns acontecimentos podem piorar como brigas familiares, pais trabalhando muito, chegada de um irmão. Se a criança fica exageradamente estressada e passa a se machucar ou aos outros, pode ser bom ir ao psicólogo.

Publicado em Dicas

6 nomes para bebês e seus significados

Escolhemos 6 personalidades famosas e os significados dos seus nomes para ajudar os pais a escolher o nome do bebê

Ah, está chegando a hora mais importante da sua vida. Depois de meses se preparando para este momento, reorganizando a vida toda, comprando milhares de coisas, deixando tudo arrumadinho, está chegando a hora do nascimento do seu filho ou filha. Mas você, que pensou em tudo, esqueceu a coisa mais importante: escolher o nome do bebê.

Muitos país ficam em dúvida entres milhares de nomes de bebês e demoram para dar um aval sobre o nome escolhido. Não é para menos, existem diversos nomes de bebês e significados diferentes para cada um.

Entre vários nomes para bebês masculinos e nomes para bebês femininos, fica difícil escolher um que os pais realmente possam se identificar. Por isso, resolvemos fazer uma seleção de nomes para bebê e explicar qual o significado de cada nome.

Para fazer diferente, não pegaremos os nomes de bebês mais escolhidos. Como muitas pessoas gostam de dar nome de famosos para os seus filhos, resolvemos escolher 6 personalidades reconhecidas e explicar o significado dos nomes de cada um.

Vamos começar com os nomes de bebês femininos. Cada nome fez parte da história e possuem significados bonitos e que podem ajudá-los a escolher o nome do seu filho.

Helena é um nome feminino muito forte por causa da mulher representada na imagem. Essa é Helena de Tróia, a causadora da famosa Guerra de Tróia. Seu nome tem origem no grego Helene, que significa luz ou iluminada.

O nome grego Helene vem a partir de hélane, que significa “tocha”. O termo “héle” quer dizer “raio de sol”, trazendo aí o significado do nome Helena como iluminada ou reluzente.

Helena é um nome forte e muito bonito e reflete uma pessoa com personalidade forte e que está sempre olhando para dentro de si. Uma pessoa com esse nome costuma ser filosófica para lidar com os dilemas da vida, levando tudo sempre com tranquilidade e harmonia. Outros pontos positivos desse nome feminino é que as “Helenas” são sempre carismáticas, otimistas e possuem muita vitalidade.

Além da Helena de Tróia, esse nome dá voz para outra personagem história. Santa Helena, mãe do imperador romano Constantino. Santa Helena foi homenageada pelos ingleses que dedicaram 135 inglesas só para ela.

Diana

Outro nome feminino muito reconhecido, o nome Diana vem do latim e significa “divina”. É o nome da deusa da caça, equivalente a Ártemis na mitologia grega, e tem como outros significados os termos “brilhante”, “aquela que ilumina”.

O nome ficou mais conhecido por causa da mulher da foto, Princesa Diana. Mais conhecida como Lady Di ou “princesa do povo”, sua morte trágica popularizou ainda mais seu nome.

Diana representa uma mulher autoritária, mas que consegue o que quer por ser bastante organizada e objetiva. Como a Princesa Diana demonstrou, as “Dianas” conseguem aliar o sucesso a um bom relacionamento com as pessoas a sua volta.

As mulheres com esse costumam ter personalidade forte e, por isso, são seguras e independentes. Outro ponto positivo é que o lado diplomático que a ajuda a conseguir as coisas sem muito esforço.

Carmen

Maria do Carmo Miranda, mais conhecida como Carmen Miranda, foi uma atriz e cantora luso-brasileira. Conhecida no mundo todo, lançou mais de 300 músicas e chegou a ser a atriz mais bem paga dos Estados Unidos, além de ser a primeira sul-americana a ter uma estrela na calçada da fama.

O significado do nome Carmen tem tudo a ver com quem foi essa mulher. A origem do nome vem do Latim e significa “poema”. Indica uma pessoa que persegue com dedicação o que deseja, sempre com muita doçura e paixão. Exatamente o que Carmen Miranda foi, uma mulher forte e decidida e que teve como objetivo ter uma carreira de sucesso.

Nelson

Começamos com um nome masculino que certamente ficará para sempre na história. Nelson Mandela foi o líder político mais importante da África do Sul e ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1993.

A origem do nome é inglês e significa “filho do campeão”. Indica uma pessoa metódica, simples e, como Mandela, uma pessoa que luta com persistência para conseguir alcançar os seus objetivos.

As pessoas com esse nome são inteligentes e costumam enxergar com sensibilidade as coisas, conseguindo se adaptar com facilidade as dificuldades do dia-a-dia. Os “Nelsons” costumam ser espiritualizados, profundos, tranquilos e afetuosos.

No Brasil, uma personalidade famosa com esse nome foi Nélson Gonçalves, cantor e compositor e um dos artistas que mais vendeu álbuns da história brasileira.

Leonardo

Leonardo da Vinci foi um nome muito importante na época do Alto Renascimento e se destacou como pintor, escultor, arquiteto, poeta, cientista e em muitas outras profissões. Ficou conhecido no mundo todo por ser um dos precursores da aviação e da balística, além de ser o pintor do famoso quadro da Mona Lisa.

O significado do nome Leonardo vem de origem germânica e quer dizer “forte como um leão”. Representa a simbologia do animal considerado “rei da selva” e além da força, representa também poder e sabedoria.

Os homens com esse nome são inteligentes, criativos e espirituosos. Por essa última característica, costumam lidar com situações difíceis sempre com felicidade, sendo extremamente otimista.

 

Vinícius

A origem do nome Vinícius é Latim e significa “vinicultor”, aquele que cultiva uva e tem voz agradável. Igual nosso amigo da foto acima que dispensa apresentações, Vinícius de Moraes, o significado do nome indica uma pessoa ousada e criativa, capaz de se destacar em qualquer grupo, admirado pela sua originalidade e propenso a fazer diversas conquistas amorosas.

Vinícius de Moraes foi tudo o que o seu nome indica. Poeta, cantor e compositor, ele tinha muita força de vontade, tinha vários amigos e realizada suas tarefas com seriedade.

Deu para perceber que os significados dos nomes podem ter grande influência na vida da pessoa, não é? Cada personalidade aqui citada faz jus aos significados dos seus nomes.

Helena – Pessoa com personalidade forte

Diana – Diplomática e autoritária

Carmen – Persegue com dedicação o que deseja

Nelson – Luta com persistência para alcançar seus objetivos

Leonardo – Inteligente e criativo aliado com poder e sabedoria

Vinícius – Original e propenso a ter vários casos amorosos.

Nós da Kids Shop esperamos que mostrar que os significados dos nomes têm muita força sobre cada um, tenha ajudado os papais e mamães a escolher o nome do bebê ou bebês.

Pesquise mais sobre alguns nomes que vocês gostem e veja os significados para conseguir escolher um bom nome para o seu bebê.

 

 

 

Publicado em Dicas

10 dicas para as mães de primeira viagem

Normal ficar preocupada no primeiro momento, por isso listamos 10 dicas para você ser uma ótima mãe de primeira viagem e cuidar da melhor forma do seu bebê

Juntamente com o nascimento do primeiro filho nasce também aquele turbilhão de sentimentos, alegria, amor e felicidade misturados com medo, insegurança e preocupação.

Isso é extremamente normal e toda mãe de primeira viagem tem essa confusão de sentimentos. Por isso, primeiramente, saiba que o primeiro filho não é um bicho de sete cabeças e que vai dar tudo certo.

Ter um filho é uma grande experiência, mas não deixe que se torne uma experiência desgastante para você. Toda mãe precisa aproveitar ao máximo seus filhos e, por isso, fizemos esse artigo com dicas para mães de primeira viagem para que vocês consigam curtir seus filhos sem grandes preocupações.

Separamos 10 dicas para mães de primeira viagem, sendo 5 dicas para as mães não se preocuparem em determinadas situações e 5 dicas do que não se deve fazer.

5 dicas para mães de primeira viagem

É normal ficar preocupada sempre. Achar que tem alguma coisa de errado com o seu bebê recém-nascido por ele estar chorando muito, achar que ele está mamando pouco e até cobri-lo com milhões de cobertores para que ele não fique com frio.

Listamos 5 dicas e você verá que todas as suas preocupações são normais.

– Chorar é normal

Não precisa ficar preocupada se o recém-nascido começar a chorar bastante. É normal o bebê chorar até 3 horas por dia.

Para saber o motivo, não tem outro jeito se não for na base da exclusão. Veja todas as alternativas. Se você acabou de dar de mamar, verifique as fraldas, veja se as roupas estão confortáveis ou se estão molhadas, converse com o bebê, abrace-o. Nos primeiros meses os bebês recém-nascidos costumam ter muitas cólicas e conversar com ele ou cantar uma canção pode ajudar o bebê a se acalmar.

– A amamentação é o suficiente

Muitas mães de primeira viagem acham que somente a amamentação não oferece uma alimentação saudável, completa e balanceada para o bebê. A verdade é que o leite materno é a alimentação mais forte que o seu filho pode ter e ele é o suficiente para o recém-nascido ter uma alimentação completa.

O leite materno só não será o suficiente se a mãe estiver com baixa produção de leite. Se esse for o caso, então será necessário completar a alimentação com mais algum alimento.

A melhor forma de saber se a criança está se alimentando bem, é observar o ganho de peso do bebê. Se ele estiver ganhando um peso considerável, então o leite materno está o alimentado bem.

– O bebê não está passando frio toda hora

Pode estar um calor de 40 graus que, mesmo assim, mães de primeira viagem vão encher o bebê de agasalhos, toucas, cobertores, tudo o que for quente o bastante para que ele não passe frio.

No calor, não é necessário empacotar a criança de tanto agasalho. Isso não fará bem para ela. Use roupas de bebê que o deixem confortáveis e dê preferência para roupas leves e frescas.

– Saiba quando o bebê está cansado

Diferentemente das pessoas mais velhas que quando estão cansadas tudo o que querem é deitar na cama e dormir, com os bebês recém-nascidos não funciona assim.

Nos primeiros meses, um bebê cansado não é sinônimo de um bebê dormindo. Na verdade, quanto mais cansado ele estiver mais difícil será a tarefa de colocá-lo na cama. Isso acontece porque quando o bebê está muito cansado ele tende a ficar bem irritado e, consequentemente, mais difícil de acalmar.

O segredo é perceber quando o bebê está começando a ficar cansado e já colocá-lo no berço neste momento, antes que ele fique mais sonolento, irritado e agitado.

Busque sinais como bocejo, esfregação de olhos, punhos cerrados, puxadas de orelha. Esses são alguns sinais de que o recém-nascido está começando a ficar bem cansado e com sono.

– Peça ajuda

Por mais que pareça, você não é uma heroína. Você também fica cansada, exausta e precisa relaxar. Por isso, não tente fazer tudo sozinha.

Os pais de primeira viagem também estão do seu lado para te ajudar. Fora dar de mamar, os pais podem fazer as mesmas coisas do que a mãe. Então, não se sinta mal de deixar o bebê com o pai ou com outra pessoa da família. Você não está fazendo nada de errado.

É fundamental que a mãe não se desgaste muito, especialmente para conseguir cuidar do recém-nascido do jeito que ele merece, com o máximo de disposição e alegria.

Então, peça ajuda para cuidar do seu bebê. Não somente em deixar ele no colo de outra pessoa ou ajudar a fazer a mamadeira, mas se você estiver com alguma dúvida sobre como proceder em determinada situação. As mães mais experientes, como a sua mãe ou sogra, são especialistas em dar bons conselhos para as mães de primeira viagem.

5 dicas que evitarão erros das mães de primeira viagem

Saiba que a maternidade é um processo de aprendizado constante. É preciso ter calma e paciência para entender o bebê. Existem erros frequentes que mães de primeira viagem cometem, como esquecer do resto da vida e só dar atenção para o bebê ou esquecer-se de se alimentar bem.

Listamos 5 dicas para as mamães não cometerem tais erros.

– Não se isole com o bebê

É normal mães de primeira viagem terem medo de sair com os filhos por causa de bactérias e germes. Claro, é preciso ter cuidado, mas não é necessário trancar-se em casa.

Os passeios com os bebês recém-nascidos são de extrema importância, pois é com o contato com o mundo exterior que eles irão desenvolver anticorpos e irão se desenvolver com muito mais saúde. Ficar sempre dentro de casa pode fazer com que o bebê tenha baixa imunidade e adoeça com facilidade.

Além disso, é provável que a mãe fique entediada e solitária se ficar o tempo inteiro dentro de casa. Por isso, para o seu bem e a do seu filho, saia para passear com a criança e mostre esse mundão lindo para ela.

– Se alimente bem

Não é só o bebê que precisa estar bem alimentado. É fundamental que a mãe também se alimente bem e descanse sempre que possível.

Para conseguir produzir uma boa quantidade de leite, a mãe precisa ter uma alimentação saudável, comer um pouco mais e ingerir líquidos regularmente.

– Não imponha horários

Nos primeiros meses, o bebê não tem horário certo, então nem adianta ficar impondo isso para ele. Não tem hora certa para mamar, dormir, acordar. O bebê recém-nascido tem o seu próprio ritmo. Ela vai mamar quando sentir fome, irá dormir e acordar quando quiser.

Além disso, nessa fase da vida, o bebê ainda também não tem capacidade hormonal nem neurológica de entender e aprender a seguir horários.

Isso deve ser ensinado aos poucos. Por exemplo, se ele acordar no meio da noite não precisa se desesperar. Pode esperar um pouco para ver se o bebê para de chorar e volta a dormir. Isso o ensina a conseguir retomar o sono sozinho. Claro, se o choro persistir, é porque ele precisa de algo e precisa ser atendido.

– Se cuide

Está dica está relacionada com a de se trancar em casa e esquecer do resto da vida. Não faça isso, pois o seu filho precisa ter uma mãe saudável.

Então, aos poucos, vá retornando a suas atividades do dia-a-dia, faça exercícios físicos que ajudarão no retorno do seu peso antes da gravidez, além de aumentar a autoestima e aumentar a produção de leite.

Se você esquecer de si mesma e não cuidar da saúde, pense que não estará cuidando da saúde do seu filho, pois não estará disposta para atender as necessidades dele.

– Só gaste com o essencial

Muitas mães de primeira viagem ficam encantadas com a quantidade de produtos disponíveis para os bebês e querem comprar tudo o que olham pela frente.

Nesse primeiro momento, tente gastar com o que é essencial para o seu filho para que não falte nada para ele. Se gastar tudo com itens supérfluos, pode acabar faltando alguma coisa que seu filho precise. Dê atenção para o que é mais importante e depois pense em complementos.

Com essa dica, além de ter mais itens de necessidades básicas, você também gastará muito menos dinheiro e conseguirá economizar para coisas que realmente importam.

Depois dessas dicas, você estará pronta para o nascimento do bebê e será uma ótima mãe de primeira viagem. Agora é só curtir essa experiência e esse momento incrível que é o nascimento do primeiro filho.

Publicado em Postagens

Saiba como as brincadeiras na educação infantil podem ajudar no desenvolvimento do seu filho

As brincadeiras infantis ajudam demais no desenvolvimento das crianças. Conheça algumas brincadeiras.

É normal ouvir os mais velhos dizerem que são eles que tiveram a melhor infância, em que se brincava na rua sem nenhum perigo. O crescimento da tecnologia no mundo atual fez com que todo mundo esquecesse das verdadeiras brincadeiras infantis e fez com que as crianças crescessem em um mundo virtual onde suas brincadeiras ficam na tela de um celular.

As brincadeiras infantis ajudam, no desenvolvimento motor, cognitivo, social e afetivo da criança, mas a verdade é que existem brinquedos próprios para cada faixa etária.

As brincadeiras desenvolvem a autonomia e ajudam a perder a timidez, pois nas atividades em conjunto essa barreira pode ser quebrada. Por isso, antes do celular, é melhor investir em brincadeiras mais socializáveis, onde as crianças possam interagir.

A brincadeira significa mexer com o universo lúdico da criança, de instigar sua imaginação. Ao se deparar com um jogo, com algum brinquedo ou brincadeira, ela cria, descobre e experimenta coisas, compara um jogo ao outro, reinventa uma brincadeira, experimenta algo novo.

A imaginação da criança se desenvolve cada vez mais juntamente com as suas habilidades. E se as brincadeiras na educação infantil forem feitas em grupo, irá desenvolver a sociabilidade.

As crianças, além de fazerem amigos, serão ensinadas a aprender e compartilhar, a respeitar os outros e a respeitar algumas normas.

Brincar com atividades lúdicas na educação infantil também é muito importante para a saúde física e, principalmente, para a emocional e intelectual. Isso porque o brincar é uma atividade prazerosa para a criança e sem as brincadeiras lúdicas seria um tédio para elas o processo de aprendizagem.

Além da extrema importância no desenvolvimento da criança, as brincadeiras na educação infantil também ajudam a liberar energia.

Como já dito, atualmente as crianças ficam muito tempo em jogos no celular e dentro de casa. Em detrimento de ficarem do dia inteiro dentro de casa essas crianças têm energia de sobra.

Os pais podem não perceber e nem mesmo a criança, mas por ficar todo dia dentro de casa assistindo algum canal de desenho animado ou com algum jogo eletrônico a criança vai acumulando energia e em algum momento precisará extravasar.

Claro que não é preciso proibir o uso de tecnologias, mas é indicado que a criança desfrute dos dois momentos. Limite um tempo a televisão e outro tempo para brincadeiras infantis

As brincadeiras infantis tradicionais são ótimas para desenvolver a integração e a cooperação entre elas. Elas são tradicionais, mas podem ter ficado esquecidas com o tempo. Listamos 5 brincadeiras e o que elas podem ajudar no desenvolvimento do seu filho.

O mestre mandou

Essa brincadeira infantil é bastante conhecida e consiste em escolher alguém que será o “mestre” que escolherá alguma coisa para as demais crianças pegarem ou fazerem. Quem não cumprir, estará fora.

Essa brincadeira ajuda a desenvolver a liderança, pois faz a criança se sentir mais confiante, além de trabalhar a capacidade de inventar coisas, mexendo com a imaginação e desenvolvendo a memória.

Ciranda

“Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar”, quem não conhece essa música, não é? Nessa brincadeira infantil, onde todos ficam de mãos dadas enquanto ficam girando e cantando cantigas, se desenvolve o trabalho em equipe.

As crianças estreitam os laços, pois estão dançando e cantando juntas, além de ficarem mais extrovertidas. Outro benefício é a noção de espaço e equilíbrio, já que está fazendo tudo em conjunto.

O cantar na educação infantil também ajuda no domínio da linguagem e melhora a desenvoltura da criança ao se comunicar.

Cabra-Cega

Cabra-cega é outra brincadeira que ajuda a desenvolver o equilíbrio e noção de espaço da criança. Por uma das crianças estar vendada e precisar correr atrás das outras sem enxergar, essa brincadeira ajuda a ter mais controle sobre o próprio corpo.

Por estar vendada, essa brincadeira infantil também ajuda a desenvolver todos os sentidos. Sua audição, olfato e percepção ficam mais aguçados.

Ajuda também na confiança, já que ficar sem visão pode proporcionar desconfiança e medo. Mas essa brincadeira ajuda a encarar os desafios, fazer novas descoberta e faz a criança acreditar mais em si mesma.

Esconde-esconde

Outra brincadeira também muito famosa. O esconde-esconde desenvolve o senso competitivo da criança, estimula sua reflexão estratégica e melhora seu desempenho na velocidade e na resistência física.

Atividades competitivas auxiliam as crianças na integração ao grupo, a superar seus limites e a ensinam a lidar com perdas.

Amarelinha

Por último uma brincadeira que todo mundo gosta, é fácil e ainda ajuda no físico.

Por ter que pular em um pé só, a amarelinha auxilia bastante no desenvolvimento do equilíbrio e noção de espaço, além de também ajudar a fortalecer os músculos inferiores.

Não tem dúvidas que as brincadeiras infantis são muito importantes na educação infantil para o bom desenvolvimento do seu filho. Então estimule-o você a sair para brincar com os amigos, que além de se divertir, aprender e se fortalecer, ele ainda vai gastar todas a energias e ter uma ótima noite de sono.

Publicado em Dicas

Tenha uma gravidez saudável praticando atividades físicas

Tenha uma gravidez saudável praticando atividades físicas

Dicas de atividades físicas, benefícios e cuidados para uma gestação saudável

Todos sabemos dos benefícios das atividades físicas e isso é incontestável. Também sabemos que elas podem beneficiar as mamães que estão passando por uma gravidez. Mas muita gente fala para as mães pegarem leve e para fazerem no máximo alguma caminhada ou alongamento. Nesse artigo vamos falar um pouco sobre a atividade física na gravidez e como fazê-las corretamente sem correr nenhum risco.

Um estudo da Universidade Federal de Pelotas (RS) revelou que as mulheres que fizeram atividades físicas na gestação tinham 50% menos de chances de ter um parto prematuro.

Muitos outros benefícios as atividades físicas trarão para a vida da gestante se ela começar a praticar diariamente. Por fortalecer a musculatura, ela não sofrerá tanto com dores nas pernas e nas costas, engordará menos e correrá menos riscos de desenvolver doenças como hipertensão e diabete gestacional.

Se você já acha que está com falta de disposição e ficará mais cansada ainda se começar a fazer algum exercício físico, saiba que está enganada. Por ter mais sangue na circulação, flexibilidade e por aliviar o estresse, você acaba até tendo mais disposição do que antes.

Saiba os benefícios de alguns exercícios na época da gravidez:

Hidroginástica

Talvez a mais famosa atividade física na gestação, a hidroginástica é bastante recomendada para as gestantes por ser uma atividade física de intensidade moderada.

O benefício dela é que a flutuação na água ajuda a aliviar o peso da gestação e diminui o impacto dos movimentos sobre as articulações do corpo. Além disso, ela ajuda no fortalecimento do abdome e pode até aliviar um pouco as dores do parto.

Mas é necessário tomar alguns cuidados na hora da prática da hidroginástica. Dê prioridades para as aulas de hidroginástica que são específicas para gestantes para conseguir fazer os movimentos certos e não ocasionar dores musculares.

Também preste atenção na temperatura da água para não elevar demais a temperatura do corpo. Fique de olho na sua frequência cardíaca e na sua disposição. Se já estiver muito cansada, está na hora de dar uma pausa.

Pilates

Pilates na Gravidez

Outra atividade que também é bastante praticada pelas mulheres grávidas é o pilates. Diferentemente da hidroginástica, que pode ser praticada por mulheres que não tinham o hábito da ginástica antes da gravidez, com o pilates não ocorre o mesmo, pois possui exercícios um pouco mais intensos.

O pilates ajuda no fortalecimento muscular, alivia desconfortos lombares e distribui melhor o peso corporal. No entanto, é preciso fazer o acompanhamento da evolução da gestação para poder adequar melhor os exercícios físicos.

Alongamento e Yoga

alongamento e yoga na gravidez

A maior vantagem do alongamento é a prevenção de dores musculares e lesões, pois eles aumentam a flexibilidade e ajudam a relaxar os músculos que estão sobrecarregados, como pernas e joelhos, pela mudança corporal ocasionada pela gravidez.

No entanto, é importante tomar um pouco de cuidado com o excesso para não prejudicar articulações e ligamentos, que estarão mais sensíveis por causa dos hormônios.

Assim como o alongamento, a yoga também ajuda na flexibilidade e na elasticidade do corpo. Além disso, ela ajuda no equilíbrio e na circulação respiratória, pois trabalha a respiração e o relaxamento, aliviando o estresse.

Outras atividades

A caminhada e a musculação também são importantes na gestação. A caminhada, por ser uma atividade física simples e de pouco impacto, é bastante recomendado pelos médicos. O ideal é caminhar diariamente para ajudar na forma física, fortalecendo a parte inferior do corpo.

A musculação precisa ser bem orientada, com exercícios físicos específicos para gestantes. Já existem profissionais no mercado que criam um treinamento funcional focado na mulher grávida.

Cuidados especiais

O mais importante é não passar do seu limite físico. Se começar a ter dificuldade de respirar, se sentir muito cansada ou dolorida, está na hora de baixar o ritmo ou descansar. Tontura, náuseas, aumento de inchaços nos pés e nas mãos e visão embaçada são sintomas que mostram que você pode estar exagerando na atividade física.

Exercícios que podem causar colisão, como futebol e vôlei, devem ser extremamente evitados. Também evite esportes como andar de bicicleta, patins e outros que podem causar queda.

Não esqueça de sempre estar em comunicação com o seu médico. Falamos dos benefícios das atividades físicas na gravidez, mas sempre quem dará a palavra final será ele. Por isso, converse com seu médico sobre quais atividades físicas você poderá fazer e se há alguma restrição.

As mulheres que não tinham a prática de fazer exercícios, devem começar só a partir do terceiro mês de gestação, pois o embrião já se implantou, correndo menos risco de aborto.

Por último, mantenha-se sempre hidratada, antes, durante e depois do treino. Fazendo esses exercícios e tomando os cuidados necessários você terá uma gravidez agradável e saudável.

Publicado em Dicas

Saiba o jeito certo de como lavar as roupas do bebê

Saiba o jeito certo de como lavar as roupas do bebe

Existem procedimentos corretos para a primeira lavagem das roupinhas do bebê.  Saiba quais são para não fazer errado na hora.

Uma dúvida frequente dos pais, principalmente dos pais de primeira viagem, é quando, que produtos usar e como lavar a roupa de bebê. Essas são dúvidas normais, pois nos primeiros meses de vida a pele do bebê ainda é muito sensível.

Por ter a pele sensível, se o bebê tiver contato com substâncias químicas ele pode estar sujeito a algumas alergias, irritações e dermatite.

Antes de tudo, saiba que médicos recomendam que todas as roupinhas do bebê sejam lavadas antes de ele usá-las pela primeira vez. O porquê disso é simples: as roupas passam por muitas pessoas e lugares até chegar na sua casa. Desde a confecção até as lojas de roupas, o caminho é grande.

Então, a resposta para a primeira pergunta é: a hora de começar a lavar as roupas do bebê é antes dele nascer. Comece a lavar um pouquinho antes dele nascer, lá pelo sétimo e oitavo mês de gestação. Não esqueça de toalhas e roupas de cama, eles também precisam ser lavados antes, pois passam pelo mesmo processo longo até chegar em casa.

O importante de começar a lavar as roupinhas de bebê uns 2 meses antes é para já deixar tudo preparado caso aconteça de a criança chegar antes da hora.

Agora, que produtos usar? Esqueça produtos químicos como amaciantes, alvejantes e nem sabão em pó comum. Nenhum produto que contenha cloro ou água sanitária é indicado.

O sabão para lavar roupas de bebê ideal é o sabão de coco, seja ele líquido ou em pó. O sabão de coco tem menos ácido em sua composição, por isso é o mais indicado. Faça o uso dele pelo menos até o bebê completar um ano de idade.

Não é necessário usar uma grande quantidade de sabão, use somente o que estiver indicando na embalagem.

Como lavar a roupa de bebê?

Como lavar a roupa de bebê

Mesmo não tendo nenhuma contra indicação sobre lavar as roupinhas de bebê na máquina, muita gente opta por lavar a mão mesmo. Isso acontece por causa de alguns fatores específicos.

Pelo processo de lavagem das roupas infantis ser diferenciado, os pais preferem não misturar as suas roupas com as roupas do bebê. Isso evita que as sujeiras das roupas da família entrem em contato com roupa da criança e evita também que resíduos dos produtos químicos que foram usados na máquina também tenham contato com as roupas do bebê.

Compre baldes ou bacias para lavar as roupinhas do bebê. É melhor ter baldes específicos para isso do que usar os mesmo que você usa para outras tarefas. Isso ajuda a evitar que as roupas tenham contato com os produtos químicos que, por ventura, possam ter deixado resíduos no recipiente.

Essa dica também serve para quem optar por lavar as roupas infantis na máquina de lavar. O recipiente vai servir para deixar a roupas de molho.

Como muitas peças infantis são delicadas e finas, é muito importante ler as instruções de lavagem de cada roupa infantil. Algumas possuem restrições, como lavar manualmente ou lavar em determinadas temperaturas de água.

Por mais que a lavagem a mão seja mais indicada pelos fatores mencionados acima, com a correria do dia-a-dia, muita gente não tem tempo de ficar lavando todas as roupas do bebê manualmente.

Atualmente, grande parte das máquinas de lavar possuem ciclos específicos para roupas mais delicadas e têm a opção de múltiplos enxagues, o que pode acabar com os problemas de resíduos químicos nas roupas.

Mas se você realmente optar pela lavagem manual, o procedimento é simples. É só diluir o sabão de coco em água no balde ou recipiente e deixar as roupinhas do bebê em molho. Depois é só enxaguá-las, torcê-las bem e pendurá-las para que sequem ao sol.

Depois de lavar as roupas do bebê, manualmente ou na máquina, outra dúvida que aparece nas cabeças dos pais é qual o melhor procedimento para secá-las.

Algumas pessoas dizem que secar roupas na secadora acabam deixando-as mais amassadas e menos macias e cheirosas. Na secagem no varal, a vantagem é que da para pendurá-las direitinho, amassando menos. Então o resultado de optar por secar ao sol é que as roupas ficaram menos amassadas e mais cheirosas.

A secagem na secadora pode ser uma boa opção para os dias de frio e quando estiver chovendo.

Depois de passar as roupas, guarde-as em alguns saquinhos individuais até o primeiro uso. Assim, você estará evitando que elas entrem em contato com poeira e não vai precisar lavá-las novamente.

Espero que as dúvidas de quando lavar a roupa do bebê, de que produtos usar e de como lavá-las estejam sanadas.

Agora é só aproveitar esse momento delicioso que é ter o primeiro filho. A Kids Shop estará aqui sempre para ajudar e para lhes oferecer as melhores roupas e produtos para montar um lindo enxoval de bebê para o seu filho.

Publicado em Postagens

A fase do nascimento dos dentes do bebê

Conheça os sintomas que precedem essa fase e como cuidar melhor dos dentes do seu filho

Muitos pais relatam que quando começam a nascer os primeiros dentinhos do bebê a mudança de humor da criança é gritante. Falam que o bebê fica chato, irritado, que não consegue dormir direito a noite. Além da irritação, os pais também alegam que nessa época do nascimento dos dentes do bebê, ele também fica doente com sintomas como diarreia, febre, resfriados, entre outros.

Mas os especialistas não acreditam que resfriados e febre acontecem por causa do nascimento do dente. O mais provável é que o estresse por causa da dor baixe a imunidade do bebê deixando-o vulnerável a infecções.

Os primeiros dentinhos costumam começar a nascer por volta dos 6 meses. Nesse momento é quando você percebe que o seu filho está crescendo e é quando a dieta alimentar dele começar a mudar para uma dieta com alimentos sólidos. Mas esse tempo pode variar. Alguns bebês começam a ver os nascimentos dos dentes com 3 meses enquanto outros precisam esperar até uns 12 meses.

Essa fase do nascimento dos dentes pode ser meio exaustiva tanto para o bebê quanto para os pais. Os sintomas começam a aparecer, pelo menos, um mês antes dos primeiros dentinhos nascerem.

Alguns dos sintomas são:

– Baba

– Falta de apetite

– Inchaço e maior sensibilidade na gengiva

– Mau humor

– Problemas para dormir

– Tentativa de morder os que está pela frente

Esse último sintoma não é hostilidade e, sim, para tentar aliviar a dor. Para tentar sanar o sofrimento, você também pode dar alguma coisa para ele ficar mordendo, como mordedores ou alguma coisa gelada, ou tentar massagear a gengiva do seu bebê.

As gengivas poderão ficar inchadas quando os dentinhos forem romper, deixando as bochechas da criança um pouco maiores.

Alimentos gelados, como iogurtes e frutas, também podem aliviar a dor do nascimento dos dentes. Se isso não melhorar, procure o médico e veja se ele indica algum analgésico infantil para tentar melhora a dor.

Passado o sofrimento dos primeiros dentinhos do bebê vão começar a nascer um atrás do outro. De um sorriso desdentado para a semana seguinte já começar a despontar vários branquinhos dos dentes.

Os primeiros a nascer, em geral, são os dois incisivos centrais de baixo, seguido dos dois de cima, depois os que ficam ao lado e por último os dentinhos que ficam no fundo.

crianças escovando os dentes

Depois do nascimento dos dentes é preciso mantê-los sempre muito limpos. No primeiro ano de vida do seu bebê não escove “ de verdade “ os seus dentes. É mais indicado passar uma fraldinha limpa ou uma gaze uma vez por dia nos dentinhos.

Outra dica para cuidar melhor dos dentes do seu filho é evitar acostumá-lo a adormecer mamando. Os açúcares do leite (da mãe ou em pó) podem fermentar e corroer o esmalte dos dentes do bebê. Por isso, tenta adiantar a hora da amamentação da noite, desvinculando o leite do ritual de dormir.

Mas quando começar a escovar os dentes do bebê? A hora certa para isso é quando ele atingir 1 ano e meio. Você terá que acompanhá-lo durante bastante tempo ainda, mas já é bom ir ensinando-o a escovar os dentes sozinho

Use uma escova bem macia e pouco creme dental. É importante que a quantidade de pasta de dente seja bem pouca mesmo para não correr o risco de a criança engolir o flúor. Se ocorrer de o bebê engolir, pode causar a fluorose, que causa manchas nos dentes.

Para manter os dentinhos do bebê sempre limpos, sempre que ele exagerar no doce, faça-o escovar os dentes logo em seguida. Para ter certeza de qual maneira cuidar direto dos dentes do seu filho, o recomendável é ir ao dentista perto da criança comemorar o primeiro aniversário.

A primeira ida ao dentista é para precaução e não quando os problemas, como as cáries, já estiverem aparecendo nos dentes do bebê. Depois de examinar a boquinha da criança e saber sobre os hábitos alimentares dele é que o dentista poderá recomendações específicas para o seu filho.

Criança sorrindo

Até os 3 anos, seu bebê deve ter o conjunto completo: 20 dentes-de-leite. Depois dos primeiros dentinhos e dos cuidados necessários, agora é só esperar a chegada dos dentes permanentes que devem começar a nascer por volta dos 6 anos.

Aos 6 anos também começa a nascer o primeiro molar permanente. Ele nasce atrás dos molares decíduos sem que nenhum dente-de-leite caia. Esse dente está mais propício para o desenvolvimento da cárie, por isso é importante prestar atenção nele.

A troca dos dentes-de-leite pelos dentes permanentes vai ocorrer, mais ou menos, até os 11 anos de idade. Essa fase em que estão presentes tanto dente-de-leite quanto os permanentes na boca da criança é chamada de dentição mista.

Aos 12 anos, vai nascer o segundo molar permanente atrás do primeiro molar permanente. Quando não tiverem mais dentes-de-leite na boca, terá chegado a fase da dentição permanente. Mas tenha calma, essa fase só irá chegar por volta dos 18 anos, quando nascer o terceiro molar permanente, o famoso dente do siso.

Publicado em Imprensa

A importância da música para o bebê

A música oferece vários benefícios para a criança. Desde cedo é importante ela ser introduzida ao mundo da música. Saiba mais.

 

Não é novidade para ninguém que a música faz bem para o ser humano. Estudos falam que ela desenvolve a mente humana, promove o equilíbrio e traz um sentimento de bem-estar. Mas sabia que a música também é importante para o bebê recém-nascido?

Desde o ventre da mãe a música já faz diferença para o bebê. Canções de ninar cantadas pela mãe na fase de gestação já fazem efeito na vida da criança. Logo após o nascimento o bebê produz movimentos de reconhecimento daquelas canções, uma vez que se a mãe parar no meio de uma dessas canções ou mudar inesperadamente para uma outra que a criança desconheça, ela chora ou dá outro sinal em resposta a isso.

Associado a isso está o desenvolvimento neurológico da criança. No período após o nascimento, o recém-nascido encontra-se em um momento sensível de aprendizagem. Por isso, ouvir música é um estímulo que contribui para o desenvolvimento dos circuitos cerebrais da criança. A harmonia dos sons estimula a audição e a fala e também o desenvolvimento intelectual, sensorial e motor do bebê.

Funny boy baby  with musical toys. Isolated on white background

Resumindo, os benefícios são:

– Maior facilidade para falar as palavras corretamente.

– Maior aprendizado das sílabas e das palavras.

– Facilita o aprendizado da matemática e das línguas estrangeiras.

– Melhora o desenvolvimento afetivo e a coordenação motora.

Por esses motivos quanto mais cedo a música for introduzida na vida da criança, melhor será porque as crianças que vivem rodeadas de palavras adquirem mais rapidamente um discurso fluente e claro. Os pais podem deixar músicas infantis para o bebê enquanto ele brinca ou mostrar clipes infantis.

Além disso, é importante também os pais cantarem para os filhos. Não precisa ser só canção de ninar, cante músicas que você goste, que sejam bonitas e educativas. Além da canção fazer bem para a criança, ela fortalece um vínculo com os pais, criando um momento para se aproveitar juntos.

Outro benefício da música nessa época é a construção da habilidade musical, que pode ser explorada mais para frente. Educação musical ajuda a desenvolver a disciplina, autoconfiança e autoconhecimento.

Há variados estudos sobre a influência da música para o bebê. Crianças que brincam com instrumentos musicais aprendem a se comunicar com sinais mais rapidamente. Além de se comunicar mais rápido, as crianças que aprendem a tocar um instrumento musical têm mais facilidade em resolver tarefas lógicas, como montar um quebra-cabeça. Acredita-se que tocar algum instrumento cria novos caminhos para o cérebro.

Alguns estudos mostram que música clássica é uma boa música para colocar para o seu bebê. Isso porque ela possui composições complexas e explora ritmos e tempos diferentes, geralmente com uma grande variedade de instrumentos musicais. Outros estilos de músicas indicado são o jazz e o MPB. Se por um lado a música instrumental tem suas vantagens, por outro as músicas com letra são ótimas para desenvolver a linguagem. As rimas e a repetição são ótimas para o bebê desenvolver a fala. Fazendo da música uma atividade rotineira, seu filho irá começar a falar mais cedo.

Mas qual atividade musical fazer com o seu filho? Abaixo, damos algumas dicas de atividade com música para você fazer com o seu bebê.

Durante a gestação escolha uma música calma para o bebê ouvir na barriga. Você mesma ou o pai cantar a canção também é ótimo, por que como já dito nesse artigo, o bebê reconhece a voz dos pais depois do nascimento.

Durante o dia, experimente vários estilos de música.

Coloque música para o bebê dormir e pegar no sono mais rápido.

– Se você souber tocar algum instrumento musical, toque para o seu filho músicas que você goste.

– Cante canções de ninar para o seu bebê. Como ele já está familiarizado com a sua voz, ele vai adorar.

– Ofereça brinquedos musicais para a criança.

– Escolha uma escola onde eles coloquem música na educação infantil, estimulando assim ainda mais o desenvolvimento da criança.

Outra boa dica para estimular seu bebê é fazer ele imitar os barulhos que ouve na rua ou os barulhos de alguns objetos. Isso vai estimulá-lo a ter uma melhor observação do que acontece ao seu redor e vai criar mais cedo uma sensibilidade para a música.

É incontestável os milhares benefícios que a música traz para a criança. Então, desde de quando ela ainda é um feto no ventre, introduza a música para ela. Seu vínculo com a criança será muito maior e também irá transformar a vida do seu filho.